quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Chá de Calêndula


A Calêndula ou Calendula officinalis L é uma planta ornamental, de folhas ovais, flores amarelas, largas, raiz amarelo-clara e sementes em forma de barquinho. Também conhecida como Malmequer, maravilhas do campo, calêndula do jardim cresceu nos jardins europeus e desde o século 12 já era usada medicinalmente e a maioria das preparações das flores é empregada como extratos, tinturas, bálsamos e pomadas e aplicada diretamente sobre a pele para auxiliar na cura de feridas e para pele inflamada e danificada. O chá de Calêndula é utilizado para lavar os olhos, fazer gargarejo ou compressa para tratar conjuntivite, faringite, estomatite e gengivoestomatite, erupções cutâneas de fraldas dentre outras condições inflamatórias da pele e mucosa.
A Calêndula pertence à família Compositae/ Asteracea, tem brotamento anual e seu florescimento se dá de maio até outubro, suas flores são utilizadas medicinalmente. A propagação por sementes, principal método de reprodução das plantas na natureza, é a maneira mais usual de propagação nos cultivos agrícolas (Hartmann et al.,1990). Também, deve-se considerar que a propagação por sementes é mais fácil e econômica que a propagação vegetativa e a micropropagação (Pereira et al., 1995).
Na Calêndula pode-se encontrar: flavonóides, glicosídeos, carotenóides, xantofilas, tocoferol (vitamina B7), mucilagem, triterpenos sendo que estes apresentam importante atividade anti-inflamatória, o creme de Calêndula acelera a cicatrização cutânea e por isso cura ou diminui gastrite e úlcera duodenal. As mucilagens agem como restauradores da pele nos casos de difícil cicatrização enquanto que os flavonóides reforçam a ação cicatrizante, sendo úteis também nas cólicas menstruais.
Um estudo com 170 pacientes com úlcera duodenal e/ou gastroduodenite, foram tratados com uma combinação de ervas incluindo a Calêndula e obtiveram 90% de melhora dos sintomas. Em vários estudos os triterpenóides da calêndula inibiram a inflamação induzida experimentalmente em ratos. Portanto calêndula está indicada para afecções inflamatórias cutâneas e internas. Sua posologia para uso interno em Infuso é de 10 a 15 g de folhas e flores em 1 litro de água fervente (3 xícaras ao dia). Quanto ao uso externo, pode ser em forma de pomadas: 8 a 15% e banhos: 50 g da planta por litro de água.
As reações alérgicas por uso de calêndula são possíveis, porém raras. Não há relato sobra a sua toxicidade crônica. Em animais observou-se aumento do tempo de sono quando tratados com calêndula, portanto, por precaução, pacientes em uso de sedativos devem evitar o uso interno da planta. O uso de calêndula está contra-indicado em gestantes devido a sua presumida atividade útero estimulante.


Referências Bibliográficas:

ACEVEDO J, LOPEZ J, CORTES G. In vitro antimicrobial activity of various plants extracts used by purpecha against some enterobacteriaceae. It J Pharma cog 1993;31:61-64.
BALBACH, ALFONS. As plantas Curam. 2ª edição. 1995; 72.
BERTONI, B.W. Propagação clonal e gâmica de Calendula officinalis L. 1999. 77f. Tese (Mestrado) Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário